sábado, 18 de fevereiro de 2017

Vinho Indiano - Indian Wine


Sempre tenho isto em mente: “O melhor vinho é nada mais que aquele que você mais gosta”. Porque o vinho quando degustamos sozinhos, em casa, em visitas as adegas, em degustações, com amigos, em restaurantes, pelo mundo afora, assim apreciamos aquele que mais agrada nosso paladar, nossa memória olfativa este é o fator de escolha. 
Não há acordo universal sobre a escolha de vinhos, com não acordo universal sobre qual terroir e vinícolas irão se sobressair num futuro próximo. Hoje a Índia abraça o fruto da videira! Mas esta história começou há muitos séculos atrás. Porque a maioria das pessoas não associam vinho com a Índia Você pode pensar que o vinho é muito novo na Índia? Mas  como você verá abaixo e  também é muito velho, a maioria das pessoas fica surpresa quando conhecem a realidade da crescente indústria vinícola na Índia .

               
Viticultura na Índia tem uma longa história que remonta ao tempo da civilização do Vale do Indo,  quando as videiras foram introduzidas da Pérsia em 500 AC. Acredita-se que a viticultura tenha sido introduzida na Índia pelos comerciantes persas em algum momento no 4º milênio AC. A primeira menção conhecida de vinhos à base de uvas foi no final do século IV AC escritos de Chanakya que foi o ministro-chefe do imperador Chandragupta Maurya.
Não há provas de que a viticultura comercial existisse antes do século XIX, quando os colonialistas britânicos apoiaram o estabelecimento de uma fonte local de abastecimento. No entanto, aparição da indústria do vinho embrionário em 1883 na Exposição Internacional de Calcutá, vinhos indianos foram exibidos com uma recepção favorável. A indústria vitivinícola indiana estava atingindo um pico no momento em que um golpe devastador do surto da epidemia phylloxera fez o seu caminho para o país e devastou seus vinhedos.
Os vetos religiosos e culturais sobre o consumo de álcool também se revelaram um desafio difícil para o crescimento do vinho indiano após a independência da Grã-Bretanha. Este ainda  é o o caso em muitas partes do país, onde a proibição é executada através de leis locais.                  

Nos séculos que se seguiram, o vinho tornou-se a bebida privilegiada do Kshatriya ou classe nobre. No século XVI, os colonizadores portugueses de Goa introduziram vinho do tipo porto e a produção de vinhos fortificados logo se espalhou para outras regiões. Sob o domínio britânico durante a era vitoriana, a viticultura e a vinificação foram fortemente encorajadas como fonte doméstica para os colonos britânicos. Os vinhedos foram plantados extensivamente através das regiões de Baramati, de Caxemira e de Surat.
Na década de 1980 com a fundação do Grupo Tonia no estado de Goa com a ajuda dos vinicultores franceses, o Grupo Tonia começou a importar castas Vítis vinífera como Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Pinot Blanc, Pinot Noir e Ugni Blanc e começou a produzir vinhos espumantes. Em 1990 outro revival na indústria vitivinícola indiana ocorreu com influências internacionais e a crescente classe média começou a aumentar a demanda para a bebida. Na virada do século 21, a demanda estava aumentando a uma taxa de 20-30% por ano. A cidade de Nashik,  no estado de Maharashtra,  é chamada de "Capital do Vinho da Índia".
Os vinhedos em Índia variam do clima mais temperado do estado noroeste de Punjab ao estado do sul de Tamil Nadu. Algumas das maiores áreas produtoras de vinho da Índia estão localizadas em Maharashtra, Karnataka perto de Bangalore e Telangana,  perto de Hyderabad. Dentro da região de Maharashtra, vinhedos são encontrados no platô Deccan e em torno de Baramati, NashikPuneSangli e Solapur.



Devido à sua localização, a Índia não é um lugar fácil para a viticultura em grande escala. Com latitudes que variam de 10 a 35 graus norte, o clima pode ser duro e as condições tropicais significam que as videiras têm de lidar com uma estação de crescimento curto, além de calor extremo e uma monção implacável. A colheita normalmente ocorre em fevereiro e geralmente é feita à mão. Nas regiões de vinho muito quente de Tamil Nadu, Karnataka e Andhra Pradesh, videiras podem produzir uma cultura duas vezes por ano.

As maiorias das regiões vinícolas da Índia estão concentradas na parte sudoeste do país, principalmente no estado de Maharashtra, também em Karnataka. As encostas da serra de Sahayadri que formam os 'Ghats Ocidentais' foram identificadas como o local mais adequado para a viticultura, devido a grandes altitudes e um macroclima correspondentemente suave. Algumas das mais famosas áreas produtoras de vinhos em Maharashtra incluem Nashik, Sangli, Sholapur, Satara, Ahmednagar e Pune. No estado de Karnataka, os melhores estão situados no sopé da Nandi Hills, nos arredores de Bangalore. Outras áreas vinícolas notáveis ​​são encontradas nos estados de Himachal Pradesh, Tamil Nadu, Punjab e Jammu e Caxemira.

O baixo nível de produção de vinho da Índia contrasta com a produção de uva total de cerca de 1,7 milhões de toneladas por ano; A maioria é utilizada para uvas de mesa e passas, com apenas cerca de 10% indo para a produção de vinho. Uma proporção ainda mais baixa vem de variedades internacionais de alta qualidade, embora Cabernet Sauvignon, Shiraz, Merlot e Zinfandel para tintos e Chardonnay, Chenin Blanc, Clairette e Sauvignon Blanc para brancos são todos cultivados. As videiras Thompson sem sementes e Sultana produzem a maioria das uvas da Índia, com outras variedades notáveis, incluindo Isabella /nome local: Bangalore Blue e Muscat Hamburgo /nome local: Gulabi.
Existem seis regiões vinícolas principais na Índia, das quais apenas quatro estão produzindo vinho ativamente no momento presente. Do norte ao sul são: Vale de Caxemira, Deccan Plateau, Região de Goa, Nandi Hills, Champhai, HimachalCerca de 2.500 ha de vinhedos espalhados pelos sete regiões de vinho em quatro estados.

A história contemporânea do vinho indiano pode ser contada através das três vinícolas mais importantes: 
Chateau Indage foi até recentemente o maior produtor de vinho da Índia, atualmente em expansão com uma vinícola na Austrália e distribuidor no Reino Unido.
Grover Vineyards vem de um ambicioso objetivo trazer Bordeaux para Bangalore, produzir vinhos de estilo francês na Índia usando apenas variedades francesas, o que se tornou possível com enólogo Michel Rolland, o vinho tinto La Réserve ganhou uma reputação internacional.
Sula Vineyards ultrapassou recentemente Chateau Indage como o primeiro produtor de vinho da Índia. Faz parte um plano de produção de vinho e enoturismo. O turismo se torna uma fonte de projeção e renda na Índia neste setor.
Vinho continua a ser um gosto de elite na Índia por alguns fatores como a idade legal para que seja permitido beber que é de 25 anos, porem no futuro dos próximos cinco anos, 100 milhões de pessoas serão legalmente autorizadas a beber, alcançaram  esta idade legal.
A constituição indiana desencoraja o consumo de álcool e publicidade para bebidas alcoólicas é proibida. Má consciência do vinho e da infra-estrutura.
Vinho é difícil de armazenar na Índia devido à falta de adegas e refrigeração. Supermercados estão surgindo para apoiar a infra-estrutura de distribuição de vinho.
O mercado vitivinícola indiano tem potencial óbvio que atraiu investidores para a indústria nacional e empresas internacionais que procuram mercados para seus produtos. Eles foram apresentados na edição de maio de 2016 da revista Wine Enthusiast.







Texto Leila Bumachar
Pesquisa:  
http://www.wine-searcher.com/regions-india
http://www.indianwines.info
https://wineeconomist.com/category/india
https://www.google.com.br/search