terça-feira, 5 de setembro de 2017

Wines of Chile / Vinhos chilenos na RWFF 2017



Wines of Chile 2017 no Rio de Janeiro, este ano integrou a programação oficial da 5ª edição do Rio Wine and Food Festival/ RWFF,  
Em 23 de agosto no hotel Gran Meliá Nacional Hotel, Chile se fez presente em mais uma experiência numa degustação de prova livre, com cerca de 150 vinhos escolhidos das treze melhores vinícolas. Casa Silva, Viña Montes, Siegel Family Wines, Perez Cruz, Alto Quilipin, Apaltagua, Cono Sur, Bisquertt, Donoso Group, Carmen, Santa Carolina, Requingua e Cousiño Macul

Produtores e Enólogos Chilenos 
Chile lidera mercado de vinhos importados no Brasil, este país que exporta para 148 países, sendo que o Brasil é o quarto no ranking em termos de volume. Só no ano passado foram 4.8 milhões de caixas de vinho que aqui chegaram. O vinho chileno, inclusive, é o verdadeiro “embaixador” do país e seu maior cartão de visita. Os vinhos chilenos têm conseguido projetar seus rótulos mundialmente, bem como ganhar importantes prêmios nos mais variados concursos mundo afora. (dados WOC)
No Brasil o consumo de vinhos chilenos desde 2016 teve um expressivo aumento e mais uma vez o Chile fechou o ano liderando com folga o ranking de vinhos importados no Brasil. (pesquisa recente da International Consulting).
Wines of Chile é uma associação que representa a indústria chilena de vinhos, atua no Brasil com participações em alguns dos principais eventos de vinhos. “As atividades realizadas pela Wines of Chile no Brasil têm como principal objetivo apresentar a diversidade de terroirs, vales, uvas e técnicas da indústria do vinho no Chile. A altíssima qualidade e a variedade de nossos rótulos são validadas pelo consumidor brasileiro, que ano a ano tem apreciado cada vez mais os vinhos chilenos”, resume Angelica Valenzuela, diretora comercial da Wines of Chile
A Feira de Vinhos do Chile que foi inserida no Festival de Vinho e Gastronomia do Rio de Janeiro – o RWFF -, que é hoje uma das maiores e mais prestigiada iniciativas envolvendo o mundo do vinho, gastronomia e cultura existente no Brasil, sendo referência também fora do país. (dados RWFF)
Indústria do vinho chileno, que é o maior importador de vinho do Brasil, com uma participação de 40% neste mercado valioso.  Os vinhos do Chile brilharam na última apresentação no Rio de Janeiro. Grande potencial na produção e elaboração dos seus vinhos o Chile vem provando  ser hoje uma referencia mundial no mundo de vinhos.


Adicionar legenda



Blog agradece convite da Wines of Chile e RWFF 2017 



Edição  de texto e fotos: Leila Bumachar

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Tannat Tour RJ 2017


Tannat Tour 2017 no Rio de Janeiro foi realizado dentro da programação oficial do RWFF/  Rio Wine and Food Festival 2017.
Uruguai um país que o mundo está descobrindo segundo os maiores jornais de turismo: Best Trips, Country of the Year, Best in travel, New York Times (dados da INAVI)

Nos últimos 20 anos os vinhos do Uruguai têm conquistados aproximadamente 1000 medalhas em concursos mundo afora, com 190 bodegas, 24.5 litros consumidos per capita, este belo país vizinho ao Brasil, vem tendo um crescimento enorme na economia nos últimos anos, com o foco expressivo na viticultura. A localização privilegiada do Uruguai com a mesma latitude da região de Bordeaux, Mendoza, África do Sul, Chile e Nova Zelândia, vem provando ser ótimo para os vinhedos.
 
O time de enólogos e produtores na master class.

Tannat uva que se destaca no Uruguai e em concursos internacionais, também conhecida pelo nome de harriague
Ano 1870 imigrante de origem basca Dom Pascal Harriague, inicia a introdução de castas no solo uruguaio com o plantio e cultivo , a que que melhor se adaptou foi o Tannat.  Daí origem do nome da casta  no Uruguai.
Mas somente 100 anos por volta de 1970 novas técnicas de plantio e vinificação surgiram no país, hoje nem só de Tannat se destaca a introdução da outras castas como: Tintas: cabernet franc, cabernet sauvignon, merlot, pinot noir e syrah.
Brancas: chardonnay, sauvignon blanc, sémillon e viognier.

Brasil continua a ser o principal mercado para o qual as exportações nacionais de vinho são lideradas.
“O Tannat Tasting Tour 2017 oferece a possibilidade de encontrar mais de 125 rótulos uruguaios, e ter contato direito com diretores, enólogos e export managers das vinícolas. No total, os participantes terão a oportunidade de apreciar os destaques de 29 vinícolas uruguaias, recorde de participação na história dos Tannat Tours, o que indica que o interesse do Brasil pelos vinhos uruguaios é bem importante”, comenta José María Lez, Enólogo e Presidente do Instituto Nacional de Vitivinicultura (INAVI), órgão que representa oficialmente os vinhos do Uruguai. María Lez, Enólogo e Presidente do Instituto Nacional de Vitivinicultura (INAVI), órgão que representa oficialmente os vinhos do Uruguai.


Tannat Tour 2017
A beira da Lagoa Rodrigo de Freitas, um dos cartões postais do Rio de Janeiro, no clube Naval Piraquê, aconteceu a master class para imprensa e convidados.
O Melhor do Uruguai. 14 rótulos tops, com a presença de se seus produtores enólogos, falando de todos os vinhos desde terroir, casta e processo de elaboração.

Antigua Bodega - Prima Donna Tannat 2013,   Bouza - Monte Vide Eu 2015,       Casa Grande – Super Blend 2015,   Castillo Viejo – Catamayor Pinot Noir 2015,   Familia Traversa – Viña Salort Syrah Tannat 2015, Favretto Dragone - Espumoso Natural Felicia 2016, Finca Narbona – Luz de Luna Tannat 2013,       Giménez Mendez - Alta Reserva Tannat 2015, Montes Toscanini – Gran Tannat 2013,  Nabune – Corte Barrica 2016,  Pizzorno - Don Prospero Maceración Carbónica 2017, Rodríguez Bidegain – Licor de Tannat Roble 2011,   Varela Zarranz – Tannat Crianza 2015,  Viña Edén – Tannat Reserva 2015


Ao termino um almoço foi servido a moda uruguaia churrasco de cordeiro.



Inciamos a tarde com  nova degustação das 29 vinícolas presentes com mais de 125 rótulos de vinhos. Aqui cito alguns entre os tantos presentes: Alto de la Ballena, Antigua Bodega, Ariano, Bracco Bosca, Carrau, Casa Grande, Castillo Viejo, De Lucca, El Capricho, Establecimiento Juanicó, Familia Dardanelli, Familia Traversa, Favretto y Dragone, Finca Narbona, Garzón, Gimenez Mendez, H. Stagnari, Marichal, Montes Toscanini, Pisano, Pizzorno, Rodríguez Bidegain, Varela Zarranz, Viña Edén, Viña Progreso, Viñedo de los Vientos


O blog agradece a Martin Lopéz  da INAVI convite para master class e  feira de vinhos uruguaios , e   RWFF e grupo Baco.



Edição de texto e fotos Leila Bumachar.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

A Ronda de Vinhos Portugueses no Rio de Janeiro.


Portugal e seus vinhos desembarcaram mais uma vez no Rio de Janeiro entre os meses de maio e junho.Três eventos em formatos diferentes brilharam entre degustações e experiência novas como o networking e o contato direto com diversos produtores presentes.
Vinho é historia engarrafado, eu já ouvi isto por diversas vezes, e concordo plenamente. Desde sua elaboração á plantação, podemos vivenciar esta citação.
Origem, terrois, história do local, vivencia dos produtores, enfim oportunidade de conhecermos e apreciarmos os vinhos portugueses, tanto nas provas fechadas as   Masterclasses,  como nas degustações em dos eventos que por aqui estiveram.
Atualmente segundo a Wine Spectator, vinhos portugueses alcançam nas provas internacionais na maioria mais de 90 pontos em classificação.
No primeiro trimestre de 2017 o valor das exportações de vinhos portugueses para o mercado brasileiro cresceu 84,5% face ao primeiro trimestre de 2016. Um comportamento “espetacular” (dados do jornal O Publico).


Vinho Verde Wine Fest- Maio 26 e 27


Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes /CVRVV, neste ano como ela mesmo colocou decidiu "internacionalizar" o "Vinho Verde Wine Fest", promoveu o Vinho Verde Wine Fest no Rio de Janeiro, na sede do Iate Clube RJ.
O Vinho Verde é produzido exclusivamente na região demarcada dos Vinhos Verdes, e constitui uma denominação de origem controlada, cuja demarcação remonta o início do século XX. A Região dos Vinhos Verdes é o único local no mundo onde se produz este tipo de vinho. O nome caracteriza de forma fiel a paisagem do Minho, a região mais verde de Portugal, a de maior índice pluviométrico, a mais fresca e viçosa do Portugal continental. Vinhos de um estilo inconfundível que retratam com rigor a região de origem. 
O Vinho Verde é controlado e certificado como Denominação de Origem Controlada (DOC) pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV).
No show Cooking do Wine Fest no RJ damos o destaque para presença do Chef Renato Cunha , restaurante Ferrugem, que faz parte da comissão julgadora do Vinho Verde Wine Fest.
Depoimento cedido por Renato Cunha.“Os Vinhos Verdes são vinhos únicos, oriundos de uma das regiões mais belas, pitorescas e hospitaleiras de Portugal. Atrevo-me a dizer que os nossos Vinhos Verdes são o espelho das nossas gentes, pois são vinhos simples, mas cheios de caráter. Para mim trazer este evento ao Rio de Janeiro, foi uma aposta muito assertiva e inteligente, isto porque há uma grande afinidade entre os dois países irmãos e a tipologia dos nossos Vinhos Verdes é perfeita paras as características da gastronomia brasileira pelo seu exotismo, pela sua frescura e pela sua imensa versatilidade. No entanto, importa referir que ainda há muito a descobrir neste vinho único em todo o mundo. O Vinho Verde não é só o vinho jovem, leve e fresco. Temos na região vinhos muito ecléticos. Os Vinhos Verdes são também extraordinários vinhos de guarda e, acima de tudo, com uma extraordinária versatilidade e apetência gastronômicas ". 


Vinícolas presentes ao evento algumas com seus produtores: Campelo, Quinta de Lourosa, Quinta de Soalheiro, PROVAM, Quinta da Lixa, Quinta de Carapeços, Quinta de Linhares, Viniverde, Quinta das Arcas, Vercoope, Aveleda, Solar Serrade, Adega Monção, Abrigueiros- Casa da Senra, Enoport United Wines, Quinta& Casa das Hortas.

Vinhos da Península de Setúbal no Rio de Janeiro/ Maio 31


Novamente em solo carioca Prova de Vinhos da Península de Setúbal, desta vez no cenário do belo hotel Belmond Copacabana Palace, trouxe além da principais vinícolas da região, lançamento de novos rótulos. Oportunidade de provar os já consagrados vinhos premiadíssimos em concurso dentro e fora do circuito de prova de vinhos de Portugal. A região de Setúbal tem forte tradição vitivinícola sendo pioneira na elaboração de produtos de reconhecida qualidade, como o Moscatel de Setúbal um vinho surpreendente pela sua longevidade, elegância e prestigio em todo universo do vinho.


Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal (CVRPS)
Como principal missão a defesa das DO Setúbal e Palmela e IG Península de Setúbal, bem como a aplicação de regulamentação, fomento e controle dos vinhos produzidos nas respectivas áreas geográficas com a finalidade de garantir sua origem, genuinidade e qualidade incentiva ao conhecimento e prova dos vinhos desta região com sua qualidade ímpar, genuinidade, delicadeza, perfume, longevidade, sutileza e elegância. 
Região, que possui uma forte tradição vitivinícola, é pioneira na elaboração de produtos de reconhecida qualidade como o Moscatel de Setúbal. Não só na viticultura como no enoturismo a região está numa total fase de renovação e integração aos dias atuais, assim vem conquistando o mercado brasileiro. Garantir maior presença no mercado brasileiro é uma das prioridades da CVRPS.

Masterclasse do evento foi apresentada pelo sommelier número#1 do Brasil, Diego Arrebola. Novidade veio na forma do welcome drink. Porto Tonico preparado com Moscatel de Setúbal, água tônica,limão siciliano e gelo. Perfeito para clima do Rio de Janeiro.



A Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal (CVRPS) promoveu a XVII edição do Concurso de Vinhos da Península de Setúbal este ano. Em 148 vinhos à prova, foram entregues 46 medalhas – 15 de Ouro e 31 de Prata. Alguns destes vinhos estiveram presentes e foram degustados ao longo do evento no RJ. 
Produtores ao evento foram eles.  Luis Simões e Pedro Santos, da Quinta do Brejinho da Costa; Joana Freitas, da Casa Ermelinda Freitas; Joana Vida, da Venâncio da Costa Lima; Jaime Quendera, da Adega de Pegões; Filipe Cardoso, da Sivipa; Filipe Cardoso, da Quinta do Piloto; Tomás Baião, da José Maria da Fonseca; Mário Cravidão, da CW - Comporta Wines; e Nuno Cândido, da Adega Camolas.


VINHOS DE PORTUGAL /Junho 2, 3,4


4ª edição do evento Vinho de Portugal no Rio de Janeiro, é realizada pelos jornais Público, O Globo em parceria com VINIPORTUGAL , com o apoio do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), das Comissões Vitivinícolas do Alentejo, Dão e Setúbal. Com a presença de 72 produtores, o que significou um crescimento em relação ao ano passado que teve a presença de 66 produtores.  


Este ano ocorreram harmonizações conduzidas pela jornalista Alexandra Prado Coelho. pelos críticos Rui Falcão e Luís Lopes e Manuel Carvalho com vinhos do Alentejo, Setúbal e do Porto. Provas de vinhos do Dão, guiadas pelo jornalista Manuel Carvalho do PÚBLICO e com Master of Wine de língua portuguesa, Dirceu Vianna Júnior.
Na área de convivência a proposta foi de participar em bate-papos apelidado de  “Tomar um Copo”. Este ano teve um espaço maior , a fim de que as comissões vitivinícolas do Alentejo Dão e Setúbal  pudessem apresentar as rotas do enoturismo nestas regiões.
Segundo Jorge Monteiro, presidente da VINIPORTUGAL, no primeiro trimestre de 2017 houve um aumento do consumo de vinho português no Brasil.”.



O evento traçou um perfeito convívio entre profissionais, enófilos e curiosos no universo do vinho português . A ronda de vinhos portugueses no Rio de janeiro, torna-se  assim uma tendência, uma oportunidade de conhecimento e apreciação, do que melhor hoje é produzido em vinhos portugueses, um país que possui uma forte tradição nesta área. Santé!






Fotos e edição do texto :Leila Bumachar

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Bodega Garzón - Estate, Reserva e Single Vineyard


No ultimo dia 11 de maio na Tratoria Gero no Rio de Janeiro, a convite da World Wine ocorreu degustação de apresentação das novas linhas ícones da Bodega Garzón.
Reconhecida por sua biodiversidade e um terroir privilegiado, apresenta importante mudança em seus produtos, chegando a 13 rótulos de vinhos, divididos nas linhas Estate, Reserva e Single Vineyard. Os vinhos são elaborados sob a consultoria de Alberto Antonini, uma das maiores referências mundiais em produção de vinhos Premium. As três linhas são compostas por produtos feitos com uvas de caráter único e inigualável e que marcam um momento importante da marca.



Os grandes vinhos nascem de grandes vilarejos e os vinhedos da Bodega Garzón por estarem localizados em uma zona privilegiada do Uruguai, próxima a Punta Del Este, La Barra e José Ignacio, o paraíso turístico uruguaio. Bodega Garzón continua a surpreender criando novos vinhos, sendo a primeira Bodega sustentável fora da América do Norte com certificação LEED -Leadership in Energy & Environmental Design.  



Single Vineyard, apresenta produtos elaborados a partir da atenção aos mínimos detalhes e representam o terroir de Garzón em seu máximo esplendor, portadores do DNA de parcelas únicas selecionadas para cada uma das variedades: Tannat, Petit Verdot, Pinot Noir e Albariño. Assim, cada rótulo da linha é único e expressa a singularidade do terroir. Os vinhos da nova linha Single Vineyard trazem uma identidade forte, que reflete as características particulares e mais relevantes do terroir da Garzón, representando a integração perfeita entre origem e qualidade. Assim, cada rótulo é único, impossível de ser reproduzido em outro lugar, mesmo que a partir de uma outra parcela de Garzón.

Reserva são feitos a partir de uvas selecionadas à mão. Ao lado da emblemática Tannat, o Cabernet Franc, Marselan e Albariño que expressam fielmente o caráter do terroir Garzón. A influência das brisas do Oceano Atlântico sobre os vinhedos, traduzem um branco fresco e mineral, enquanto aos tintos são suculentos, elegantes e com taninos aveludados. Estes nobres vinhos são elaborados a partir de uvas colhidas e selecionadas à mão, manipuladas com todos os cuidados necessários para que expressem o caráter da variedade e a identidade do terroir da localidade.

Estate, feitos 100% com uvas próprias, destacam o Tannat de Corte, Pinot Noir Rosé, Sauvignon Blanc, Pinot Grigio e Cabernet de Corte. Os vinhos brancos são vibrantes e agradáveis ​​e os tintos apresentam aromas frutados e corpo elegante. As garrafas da linha Estate são feitas a partir de um terroir privilegiado em solo sinuoso. Como resultado de uma cuidadosa seleção de solos e o cultivo de uma ampla variedade de cepas junto à proximidade do oceano, os vinhos da linha possuem uma forte personalidade e influência do lugar, expressando as características do terroir.


“Nós estamos focados em fazer vinhos distintos se tornarem um ícone em nível mundial. A biodiversidade, a estrutura e composição do solo, as colinas arredondadas e a exposição que fornecem para as vinhas, a proximidade ao mar e a brisa limpa e fresca fazem de Garzón um lugar muito natural, preservado e único para produzir vinhos Premium” Alberto Antonini


Eduardo Felix, Cristhian Wyle., Leila Bumachar


Edição do texto e fotos : Leila Bumachar
Dados do texto :   Suporte Comunicação www.suportecomunica.com.br

segunda-feira, 17 de abril de 2017

CARM Casa Agrícola Roboredo Madeira. Estrela do Douro no Rio de Janeiro

 

Sinto-me nascido a cada momento / Para a eterna novidade do Mundo... Fernando Pessoa.

Douro é uma região vinícola portuguesa centrada no rio Douro,  na região de Trás-os-Montes e Alto Douro. A região tem a maior classificação de vinhos de Portugal como Denominação de Origem Controlada (DOC). Esta região vinícola declarada Patrimônio da Humanidade em 2001, é o berço dos vinhos elaborados pela CARM Casa Agrícola Roboredo Madeira, uma empresa estritamente familiar, que respeitando a natureza e promovendo a defesa da fauna e flora da região, onde a mais recente tecnologia encontra os moinhos para fermentar as melhores uvas, produzem vinhos que são o resultado da paixão pela terra e o respeito pela natureza.



Desde meados do século XVII, a família Reboredo Madeira produz vinho, azeite e amêndoa em terras do Douro Superior, local onde outrora eram povoadas por Romanos, que já no Séc. II AC faziam vinho em lagar, onde a partir do Séc. VII e os Árabes implementaram as culturas do azeite e da amêndoa.
No Douro Superior ali se encontra a riqueza da CARM, vinhas centenárias e um terreno que poucos anos deu origem a vinhos espetaculares que são premiados nos mais conceituados concursos pelo mundo afora. Vinhos CARM/ Casa Agrícola Roboredo Madeira, dádiva familiar com tradições desde o século XVII Vinhos com uma qualidade surpreendente, segundo a Wine Spectator, a Bíblia das publicações de vinícolas.


O patrimônio da CARM une seis propriedades no Douro superior: Quinta das Marvalhas, Quinta do Côa, Quinta do Bispado, Quinta da Urze, Quinta de Calabria, Quinta das Verdelhas e ainda a Vinha da Pedra Cavada e os olivais dos Barreais, do Murjão e das Arzilas.
Na confluência de três dos principais ícones da história natural de Portugal, o Vale do Côa, o Douro internacional e a região demarcada dos vinhos do Douro e do Porto, encontramos a Vinha do Bispado.  Quinta do Bispado situa-se no sopé do monte Calabre, onde no topo se situava a cidade do mesmo nome, sede de Bispado no reinado Visigótico.


«A nossa família tem estas terras desde sempre, mas era um terreno esquecido. Nunca ninguém ligou nada a isto, tínhamos as quintas para ir à caça e passear. Nunca pensei que íamos apostar no vinho. Vendíamos as uvas à casa Ferreirinha e as azeitonas à cooperativa vinho. Só em 2004 é que começamos a produzir aqui, com a nossa própria adega. E aí, já com o know-how de produzir azeite começa mesmo paixão...» / Filipe Roboredo Madeira/revista dos vinhos pt .

Carm Bispado branco 2015, tinto 2014 reserva tinto 2011. O CM 2013
E a estrela do Douro/ CARM brilha numa noite fresca início de outono, num jantar harmonizado em homenagem a presença de Felipe Roboredo Madeira, que nos trouxeram a memória das margens do Douro para ruas do Leblon (RJ), no restaurante Quadrucci menu elaborado pelo Chef Ronaldo Canha, harmonizados com maestria os vinhos da Quinta do Bispado e Carm.  No gole em cada vinho degustado, o humor dos presentes se alterava de alegres ao maravilhados, nunca um minuto maçante sempre o oposto assim transcorreu toda a noite. Ao final brinde com CARM CM 2013, um belíssimo tinto inédito no Brasil de uma linha já premiadissíma.

Carla Salomão/Azavini,Felipe Madeira/CARM, Ana Luisa /Asa Gourmet e Felipe Madeira





Edição de texto e fotos
Leila Bumachar
Pesquisa; www.carm.pt,www.sapo.pt,www.resvitadevinhos.pt

sábado, 8 de abril de 2017

World Wine Experience Península Ibérica 2017


No último dia 5 de abril no belo cenário do Hotel Prodigy, Rio de Janeiro importadora World Wine reuniu 13 vinícolas consagradas com cerca de 65 vinhos com o tema de World Wine Experience Península Ibérica 2017, no foco de varias regiões de Portugal e Espanha.
Península Ibérica tem início por relatos históricos na  viticultura cerca de 2.000 anos a.C., pelos habitantes locais nesta época os Tartessos, mas desde então videiras e castas se expandiram por estes dois países, consagrando vinícolas de diversas regiões, presentes nesta degustação e representadas diretamente pelos seus produtores ou enólogos. , alguns dos vinhos apresentados foram premiados em últimos concursos internacionais.




Felipe Roboredo Madeira /CARM

Manoel Revilla/ Bodegas Borsao
Pedro Tapere /Vivanco
Pere Ventura
João Manchete /Marques de Murrieta
Miguel Remédio/ CARM,, Carla Salomão/Azavini, Felipe Madeira/CARM Leila Bumachar
Pedro Figueredo /Quinta da Falorca 
Francisca Van Zeller Quinta/ Vale Dona Maria
Pedro Ribeiro/ Herdade do Rocim











Texto e fotos Leila Bumachar