sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Vinho Verde Wine Fest 2018 RJ.



A região vinícola dos Vinhos Verdes é a maior de Portugal, com os seus 34.000 hectares espalhados ao longo de uma zona costeira geograficamente bem situada, rica em recursos hídricos, com temperaturas amenas e chuvas abundantes, que criaram solos homogêneos e principalmente graníticos. solos férteis e com elevada acidez, excelentes para a produção de vinhos brancos. 
Blog Gastro Wine Tour esteve presente no Vinho Verde Wine Fest, festival, promovido pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV) de Portugal, que aconteceu sua 2ª edição no Rio de janeiro nos dias 23-24 de novembro, desta vez com o cenário do deck do Village Mall na Barra da Tijuca.


Recém-premiado em competições nacionais e internacionais, o Vinho Verde hoje não é o mesmo de uma década atrás, como resultado do investimento da região
Questões naturais, microclimas, vinhos, castas de videira e formas de cultivá-las levaram à divisão da Região Demarcada do Vinho Verde em nove sub-regiões: Amarante, Ave, Baião, Basto, Cávado, Lima, Monção e Melgaço, Paiva e Sousa . Terem a
denominação de origem Vinho Verde produzidos nesta região como únicos e valorizados em todo mundo do vinho 



De acordo com os organizadores, o objetivo é ampliar as experiências vínicas junto ao consumidor, reunindo enólogos, produtores e oradores convidados para abordagens descontraídas à versatilidade dos vinhos verdes.




Produtores presentes ao evento: 
AB Valey Wines,
Adega de Monção
Aveleda
Campelo
Casa de Senra Wines
Casa das Hortas
Casal de Ventozela
EUW – Enoport
Grande Porto
Manuel Costa & Filhos
Provam
Quinta d’Amares
Quinta da Lixa
Quinta das Arcas
Quinta de Carapeços
Quinta de Curvos
Quinta de Linhares
Quinta de Lourosa
Quinta de Santa Cristina
Reguengo de Melgaço
S. Caetano
Soalheiro
Vercoope
Viniverde / Adega Ponte da Barca



Masterclass - As castas emergentes dos Vinhos Verdes -Tomás Gonçalves / Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes & Homero Sodré / Fundador da SBAV Rio de Janeiro.

Showcooking - Vinho Verde, sardinha e cebola - Chef Renato Cunha / Restaurante Ferrugem- Portugal

Confrarias e Blogueiras

Edição de Texto e fotos : Leila Bumachar
Dados: http://www.vinhoverdewinefest.com.br


sábado, 17 de novembro de 2018

TOP 10 OF 2018 WINE SPECTATOR




Com mais de 15.000 novos lançamentos em 2018, os editores da WS, avaliaram cerca de 5.500 vinhos com 90 pontos ou mais na escala de 100 pontos da Wine Spectator.  Aqui estão os Top 10 of 2018 da Wine Spectator.




1- Tenuta San GuidoBolgheri-Sassicaia Sassicaia 2015 - Toscana, Itália.
Sassicaia começou na década de 1940, em 2018, 50 anos após a primeira colheita comercial do vinho, o Tenuta San Guido Bolgheri-Sassicaia Sassicaia 2015 é o Wine of the Year da Wine Spectator .
Sassicaia 2015.  
A história de Sassicaia é uma história com um final feliz, uma jornada incrível que começou com a visão de seu criador, conduzida ao longo do caminho por alguns dos mais respeitados vintages da Itália. A Sassicaia assumiu o seu lugar de direito no panteão dos grandes vinhos do mundo e, destacada pelo sucesso da vindima de 2015, ganha a honra de ser eleita a Wine Spectator Wine of the Year.

2 Château Canon-La GaffelièreSt. Emilion 2015- Bordeaux, França.
Conde Stephan von Neipperg enérgico vitivinicultor é um modernista, colocando as propriedades de sua família para práticas de cultivo orgânicas, consideradas difíceis de alcançar no clima marítimo de Bordeaux. Canon-La Gaffelière é a propriedade principal de Von Neipperg, situada em encostas de calcário e argila abaixo do planalto de St. Emilion. 



3- Castello di VolpaiaChianti Classico Riserva 2015 - Toscana, Itália.
A família Stianti Mascheroni situada na pequena cidade de Volpaia desde 1966, com seu enólogo Lorenzo Regoli, alcançaram com o Riserva 2015, vinho equilibrado e complexo com um final longo e deslumbrante. As uvas são cultivadas organicamente nos solos de arenito na encosta abaixo da cidade. Eles são esmagados e vinificados em tanques de aço, envelhecidos em uma mistura de barris de carvalho eslavo e barris de carvalho francês por dois anos.






4La Rioja AltaRioja 890 Gran Reserva Selecção Especial 2005 - Rioja, Espanha.
La Rioja Alta fundada em 1890, um ano que dá nome ao top cuvée da vinícola, feito apenas nas melhores safras. 890 Gran Reserva 2005, seis anos em barris de carvalho americano, feitos na própria tanoaria da adega, engarrafado em 2012 e lançado seis anos depois, o 2005 é um exemplo clássico do estilo tradicional de Rioja.






5 Moët & ChandonBrut Champagne Dom Legéron Legacy Edition 2008 - Região: Champagne, França.
A acidez viva é uma marca da safra 2008 em Champagne marca de Richard Geoffroy, a frente de Dom Pérignon de 1990 até o final de 2018, para lançar o 2009 no ano passado. O clima ensolarado de setembro durante a colheita rapidamente transformou o que teria sido uma safra média em uma das melhores da década. O selo Legacy Edition homenageia a aposentadoria de Geoffroy, incluindo seu nome e o de seu sucessor, Vincent Chaperon, no rótulo. O cuvée idêntico será vendido com o rótulo regular Dom Pérignon a partir de 2019.







6 AubertChardonnay Carneros Larry Hyde e Filhos 2016 -  Carneros, Califórnia.
Mark Aubert é um mestre da Califórnia Chardonnay, e Larry Hyde possui um dos locais de vinhedos mais cobiçados no distrito de Carneros, no sul do condado de Napa. O vinhedo Larry Hyde &amp Sons, plantado pela primeira vez em 1979,produzem uvas intensamente aromatizadas, enquanto brisas frescas da vizinha San Pablo Bay aumentam a frescura e a acidez dos vinhos.







7  Colene ClemensPinot Noir Montanhas Chehalem Dopp Creek 2015 -  Vale de Willamette, Oregon.
Joe Stark começou a Colene Clemens em 2005, com seu amor ao Pinot Noir. Ele encontrou um local distinto para plantar um vinhedo em uma encosta rochosa nas montanhas Chehalem.  Junto com seu produtor de vinhos Stephen Goff, ex-Beaux Frères, foi plantado 50 acres de videiras. Uma mistura adquirida em toda a propriedade, o Dopp Creek é o Pinot mais acessível da vinícola. A safra de 2015 foi a mais quente já registrada no Oregon, mas Goff canalizou todo aquele sol em um vinho elegantemente complexo.








8 Le Vieux DonjonChâteauneuf-du-Pape 2016 - Sul do Rhône, França.
Châteauneuf-du-Pape como Le Vieux Donjon, uma propriedade familiar, dirigido pela equipe de irmãos e irmãs de Claire e François Michel, que sucedeu seu pai, o lendário Lucien Michel. Em 2012, um vinhedo comprado em solos arenosos aumentou as propriedades do domaine para 99 acres, proporcionando acesso a todos os quatro terroirs da denominação: galets, argila, calcário e areia. 





9 Tenuta delle Terre NereEtna San Lorenzo 2016 -  Sicília, Itália.
Marco de Grazia  estabeleceu uma empresa italiana de importação de vinhos bem-sucedida antes de comprar vinhedos no Monte Etna, na Sicília, em 2000. A qualidade consistente dos engarrafamentos de Terre Nere e a promoção de Grazia dessa região vinícola emergente ajudaram a levar o Etna à vanguarda Vinho italiano. As vinhas têm mais de 70 anos, plantadas a uma altitude de quase 2.500 pés em solos dominados por areia vulcânica.






10 BedrockThe Bedrock Heritage Vale de Sonoma 2016 - Condado de Sonoma, Califórnia.
Bedrock Vineyard foi plantada há 130 anos pelo pai do editor William Randolph Hearst. Enólogo Morgan Twain-Peterson identificou e mapeou as 16.279 videiras. Twain-Peterson herdou sua paixão por vinhedos históricos de seu pai e juntamente com o mestre de Zinfandel, Joel Peterson. Em 2004, Morgan e Joel compraram a vinha e a renomearam Bedrock com sua estréia em 2007.  

Edição de texto Leila Bumachar
Dados do release e fotos :top100.winespectator.com/2018

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

'Pain Perdu' Historia e Curiosidades




Pain Perdu ou Torrada Francesa como chamamos aqui o Brasil, tem a sua origem mais lembrada na região de Nord Pas de Calais, muito embora seja encontrada em todas as regiões da França como por toda Europa. 
Originalmente conhecido como o prato dos pobres, numa época que não se permitia desperdiçar o pão velho, foi incrementada com um pouco de sabor ,através de ingredientes baratos e simples como: pão, leite, ovo e manteiga. Esta receita percorre séculos, traz invariavelmente uma memória de infância. 

No entanto sua origem remonta muito, muito mais longe... Ela surge pela primeira vez cerca de 8 mil anos AC, com a forma de um simples bolo diante da descoberta do fermento. A origem da receita é frequentemente associada à religião. E teria sido consumida principalmente na primeira segunda-feira seguinte: Epifania, também conhecida como a "segunda-feira perdida", porque então seria um dia de folga.
Segundo a tradição, os talos de pão amanhecido são embebidos em uma mistura de ovo de modo que fica completamente encharcado, depois de drenados, são cozidos na panela. Polvilhado com açúcar estão prontos para serem degustados.


Mas com inovação da culinária francesa, esta receita ganhou ares do mundo . Nos dias atuais é apreciada nos cardápios dos maiores estabelecimentos gastronômicos. Chefs a enriqueceram com diversos sabores transformando esta simples receita num elemento de sobremesas cuidadosamente preparadas em restaurantes gourmet. Hoje todas as fantasias são permitidas, adicionando baunilha, vários doces, chocolate, canela ou até mesmo creme.
Ao longo dos séculos, países e civilizações adotaram  vários nomes, formas e sabores. Alguns deles aqui : 
Canadá , falamos de "torrada francesa", tradicionalmente acompanhada de xarope de bordo . 
Em algumas regiões da França surgem outros nomes como Perigord, ou "pão amassado" ou "pão de ferro" no norte. 
Normandia flambado com pommeau de Normandia e servido com geleia de maçã, o pão antes de servir é flambado em um álcool de maçã.
A Bretanha inferior conhecia laezh boued ,"alimento de leite", isto é, leite aquecido com pão.

Em holandês, pode ser chamado ninhada de gewonnen - pão ganho
O nome inglês é às vezes "cavaleiros pobres de Windsor", não deve ser confundido com "pudim de pão com manteiga" servido com uma espécie de creme. 
Estados Unidos, a torrada francesa é chamada de "torrada francesa". 
Espanha , torrija é uma espécie de torrada francesa, geralmente associada ao período quaresmal
Argentina e do Uruguai é chamada torreja
Suíça chamamos este prato de "crosta dourada". 
Alemanha , falamos de " Armer Ritter ", que significa "cavaleiro pobre" e que significa uma refeição que pode ser preparada com poucos recursos financeiros graças a ingredientes baratos 
Portugal ,a rabanada é um prato tradicional de Natal.
México , falamos "pão francês ".
Turquia, consome-se especialmente no café da manhã chamado "Kızartma Ekmek" mas a sua receita não contém o leite, só ovos contrariamente à receita francesa. Outra diferença é que a torrada francesa é cozida em óleo e não em manteiga. 


Receita da torrada francesa:
6 fatias de pão brioche velho, 2 ovos, 30cl de leite, 10g de manteiga.
Misture o leite e os ovos. Mergulhe as fatias na mistura. Em uma frigideira quente, derreta a manteiga e retorne as fatias de pão de cada lado.
Sirva quente ou morno. Adicione açúcar, xarope de bordo, chocolate, frutas vermelhas, banana, açúcar de confeiteiro, canela. O que importa agora é sua criatividade e delicie-se!





Edição de texto e fotos: Leila Bumachar
Pesquisa: www.lecercledesliberaux.com/le-pain-perdu-son-histoire
www.pain-perdu. veritable-origine
fr.wikipedia.org/wiki/Pain_perdu

terça-feira, 11 de setembro de 2018

CASA DONOSO WINERY


No último dia 30 de agosto, convite da Wine Out , do Bev Group e do presidente da Confraria Amavinho, o Blog esteve presente num jantar harmonizado no restaurante Barra Grill no Rio de Janeiro, conhecendo a nova linha dos vinhos da CASA DONOSO, com presença e apresentação enólogo da vinícola, Felipe Ortiz.
Nesta noite o destaque da degustação os vinhos D” Casa Donoso, o Super Premium , lançado no mercado este ano, Perla Negra, Premium Casa Donoso 1810 e Casa Donoso Clos Centenaire. Todos eles provêm de cepas cuidadosamente selecionadas e têm traços inconfundíveis de singularidade.

Vinho apresentados na noite de 30/08
História desta vinícola centenária no Chile CASA DONOSO

Fundada por franceses é vendida em 1989 grupo de empresários estrangeiros, cativados pela beleza e as potencialidades do meio ambiente, adquiriu a fazenda “La Oriental”, um histórico “domaine” no coração mesmo do Vale do Maule, 250 quilômetros ao sul de Santiago do Chile, que pertencia à senhora Lucia Donoso Gatica. Uma mulher de especial encanto e empuxe empresarial, ela não só inspirou um dos primeiros vinhos engarrafados, “Doña Lucía”, mas também o próprio conceito da Vinha Casa Donoso, orientado para a produção tradicional de vinhos tintos e brancos, no melhor estilo francês.
Durante muitos anos a Casa Donoso desenvolveu um conjunto de linhas de produção de normas de qualidade muito elevadas.  Incorporando outros terroirs na área de San Javier, um pouco mais ao sul da fazenda original, na mesma região do Maule e atualmente a vinha ocupa uma área de cerca de 710 hectares.


São quatro vinhedos localizados no melhor terroir do Vale do Maule: “Fundo la Oriental”, “Fundo las Casas”, “Fundo San Vicente” e “Pencahue”.
No início de 2011, a vinha registrou uma mudança de propriedade que significou a incorporação de novas energias empresariais para o projeto. Os novos proprietários ratificaram as linhas de crescimento da vinha e seu compromisso com os exigentes níveis de produção das cepas tradicionais Cabernet Sauvignon, Carménère, Merlot, Sauvignon Blanc e Chardonnay. Esta é a base para conceber a produção de vinhos da linha Reserva, Gran Reserva, Premium, Súper Premium e Icono.

Os vinhos da Vinha Casa Donoso estão presentes nos cinco continentes, incluindo alguns dos mais importantes mercados: Brasil, Estados Unidos, Rússia, China e Europa
Tornar-se a vinha ícone do Vale do Maule, na sua capacidade de produzir vinhos de qualidade reconhecida destacando as potencialidades e os atributos das uvas produzidas pelos terroirs deste vale. Ser uma vinha onde a tradição, o cuidado com o meio ambiente e a tecnologia de ponta combinam-se para responder a altos padrões de qualidade, as diversas necessidades de diferentes clientes, mercados e segmentos, assumindo assim que só de esta forma irá cumprir com as suas políticas e metas operacionais. Esta é a vinícola CASA DONOSO WINERY.







O enólogo Felipe Ortiz, que trabalhou na França, EUA, Austrália e Chile, é o atual winemaker da vinícola, sua expertise trouxe premiações importantes nas participações das feiras no mundo do vinho. O Vale do Maule é a mais tradicional região vinícola Chile, está atraindo a atenção e interesse das especialistas graças às suas vinhas velhas e sendo o berço de Carmenere.




 esquerda para direita Felipe Ortiz , Leila Bumachar, José Paulo Fernandes confraria Amavinho, Fábio Xavier confraria In Vino Veritas na degustação do Barra Grill. 




Texto e fotos:Leila Bumachar
Dados: http://www.casadonoso.cl/pt/casadonoso/historia

terça-feira, 10 de julho de 2018

VINIBRAEXPO 2018



Nos dias 04 e 05 de agosto, o Rio de Janeiro será palco mais uma vez da ViniBraExpo, o “Grande Festival do Vinho Brasileiro”, na sua segunda edição contará com a participação de mais de 50 vinícolas de todas as regiões do país.
Idealizado por uma dupla de empresários apaixonados pelo vinho, Gustavo Guagliardi Pacheco e Marcelo Ideses, o evento foi concebido com um propósito muito claro: “O vinho brasileiro já é uma realidade há algum tempo, tendo sua qualidade reconhecida no exterior. Precisamos exaltar o belíssimo trabalho de vinícolas de distintas partes do país, que buscam, acima de tudo, a expressão de seus lugares”, explica Gustavo Pacheco.


Oportunidade de enófilos, enólogos, apreciadores de vinho “wine lovers”, de provar e conhecer mais de umas centenas de rótulos. Descobertas serão feitas ao longo da feira para ficarem em nossa memória.
Presença das regiões mais tradicionais do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, e de novos polos de produção que vem conquistando o mercado brasileiro: Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Goiás, Pernambuco e Bahia.



A ViniBraExpo 2018 realizará, ainda, o 2º Prêmio Brasil Sommelier, onde será escolhido, através de uma competição, o Melhor Sommelier para Vinhos Brasileiros em uma finalíssima com prática, serviço e identificação de vinhos aberta ao público. Para completar, haverá a escolha da Vinícola do Ano, Vinícola Revelação do Ano, Restaurante com a Melhor Carta de Vinhos Brasileiros, do Melhor Estabelecimento de Vinhos Brasileiros e da Personalidade do Ano de 2018 para o Vinho Brasileiro. 


Paralelamente, ao visitante caberá a nobre "missão" de escolher, dentre todos os vinhos degustados, os seus favoritos. Na saída da Área de Degustação haverá uma urna onde deverão ser depositados os votos com as preferências de cada visitante. Aquele rótulo que receber mais votos será eleito o “Vinho do Público”.
A ViniBraExpo também conta com a importante chancela da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS), do Instituto Brasileiro do Vinho (IBRAVIN) e apoio do SEBRAE.  Parte da arrecadação será revertida para o Instituto Pró Criança Cardíaca.

Masterclasses
Sábado, 04/08
12h00: Top-Espumantes do Brasil
14h00: Brancos Fora da Curva
16h00: Grandes Vinhos de Dupla-Poda
18h00: Máxima Expressão das Castas
20h00: Super Merlots Safra 2012 D.O. Vale dos Vinhedos
 Domingo, 05/08
12h00: Os Melhores Chardonnays do Brasil
14h00: Painel: Vinhos Naturais
16: h00: Um Novo Brasil
18h00: Castas e Vinhos Raros
20h00: 2005: Uma Safra Histórica

ViniBraExpo 2018

Datas: 04 (sábado) e 05 (domingo) de agosto 2018.
Jardins do Office, Shopping Città, Avenida das Américas, 700 – Barra da Tijuca.
http://vinibraexpo.com


Edição do texto : Leila Bumachar
Fotos: Abre Aspas-divulgação

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Ronda da Península de Setúbal Rio de Janeiro 2018


Orquestra Maré

CVRPS Comissão Vitivinícola da Região da Península de Setúbal, do Sul de Lisboa, em Portugal, e suas  vinícolas associadas, novamente fizeram a ronda de vinhos no Brasil em uma grande prova, que ocorreu no dia 5 de Junho no Belmond Copacabana Palace, Rio de Janeiro. Vinícolas presentes :  Jaime Quendera, Adega de Pegões, Luis Simões e Pedro Santos, da Quinta do Brejinho da Costa; Joana Freitas, da Casa Ermelinda Freitas; Joana Vida, da Venâncio da Costa Lima; Filipe Cardoso, da Sivipa e Quinta do Piloto; Mário Cravidão, da CW - Comporta Wines; António Saramago Filho, da António Saramago Vinhos, Nuno Palhoça, da Filipe Jorge Palhoça Vinhos e Nuno Cândido, da Adega Camolas.  






Os Produtores presentes comemoravam o aumento de vendas no Brasil, juntamente com enófilos e profissionais do setor, sommeliers, confrarias , e novos amigos que degustaram  destes maravilhosos  vinhos  que são  produzidos nesta bela região  em Portugal. 

Produtores em ação...
"No ano passado, os moscatéis da Península de Setúbal mantiveram-se entre os melhores do mundo graças ao primeiro lugar conquistado pelo Moscatel Roxo de Setúbal Venâncio da Costa Lima 2013, na 17ª edição do concurso francês “Muscats du Monde."(dados assessoria da CVRPS)

Diego Arrebola e Gabriele Frizon
Na apresentação da Masterclass, nove vinhos foram apresentados pelos seus produtores e enólogos,  brancos, tintos e os tradicionais, e famosos Moscatéis de Setúbal, eles falaram sobre suas origens, premiações, o terrorir dos vinhos, produção e conquista dos mercados do Brasil e internacionais.
O sommelier Diego Arrebola desta vez acompanhado pela sommelier Gabriele Frizon, juntos comandaram a masterclass e prova dos vinhos.


Vinhos da MasterClass
Na abertura da degustação com todas as vinícolas presentes, fomos brindados com música da talentosa Orquestra Maré do Amanhã, formada por jovens músicos de comunidades do Complexo da Maré. Boa música, ótimos novos drinks feitos com moscatéis , tornaram esta tarde e início de noite um encontro que demostrou mais uma vez a versatilidade dos vinhos de Setúbal, qualidade e a resposta de porque o vinhos de Setúbal estão conquistando cada vez mais os brasileiros.

Vinhos da degustação





Blog agradece convite da CVRPS e de sua assessoria Interação Rede de Comunicação. 





Edição de texto e fotos Leila Bumachar
Fontes: www.vinhosdapeninsuladesetubal.com/CVRPS

domingo, 3 de junho de 2018

VINHOS DE PORTUGAL NO RIO DE JANEIRO 2018





Quinta edição do Vinhos de Portugal de 1 a 3 de junho no Rio de Janeiro, foram três dias dedicados a provas de vinhos portugueses, onde estavam presentes cerca de 70 produtores os quais alguns já veteranos das últimas quatro edições e estreantes nesta.  Considerada a maior degustação de vinhos portugueses em não terras portuguesas, a cada nova edição o evento bate seu próprio recorde de público presente.






Taças circulavam pelo salão, em cada stand uma nova degustação, uma conversa com produtor, enólogo, importador, este evento produz uma maneira diferencial de aprendizado neste universo incomparável do vinho.  

Com 20 produtores estreantes de diversas regiões vitivinícolas de Portugal, Mercado do Vinho, com sessões de duas horas de duração, ofereceu ao público presente degustações e uma ótima oportunidade para conhecer, apreciar e trocar conhecimento com quem faz a fama dos vinhos portugueses, as regiões produtoras, e suas castas.


produtores, enólogos, importadores 



“Neste momento, Portugal está no segundo lugar”, diz Jorge Monteiro, “mas isso já acontecia no ano passado por esta altura e fechamos o ano em terceiro”. Uma coisa é certa: “Temos vindo a crescer em termos de quota de mercado e há sempre a expectativa de conseguirmos ser o segundo. Continuamos a aproximar-nos da Argentina, estamos a falar de um país que tinha cerca de 22% de quota enquanto nós tínhamos uns 12% e neste momento já estamos nos 15%.” (dados do jornal o Publico)
Vinhos de Portugal é o maior evento de vinhos portugueses no país e nasce da parceria entre dois jornais de referência, um de cada lado do Atlântico, o Público, em Portugal, e O Globo, no Rio de Janeiro (e da ViniPortugal, organismo que tem como objectivo promover os vinhos portugueses no mundo)


Um evento que abre o conhecimento a todos que apreciam o bom vinho português, num país que tem cerca de 400 castas diferentes, com regiões, clima e terroir diversos, mas que cada ano perpetua seu posto de notas máximas nos concursos mundiais do mundo dos vinhos.



Vinhos de Portugal

Rio de Janeiro : Data: 1 a 3 de junho
Local: CasaShopping - Avenida Ayrton Senna, 2150 - Barra da Tijuca, Rio de Janeiro
http://www.vinhosdeportugal2018.com.br/

Edição do texto e fotos . Leila Bumachar
Fontes de dados Publico (jornal)