terça-feira, 2 de março de 2010

Óbidos & Lisboa


Óbidos

A vila de Óbidos guarda séculos de história entre as suas muralhas. Com um vasto patrimônio de arquitetura religiosa e vestígios histórico-monumentais, a vila de reis e rainhas foi, noutros tempos, local de preferência para descanso ou refúgio das desavenças da Corte. D. João IV e D. Luísa Guerra, D. Pedro II e D. Maria I, D. Leonor, D. Catarina de Áustria e D. Carlos, foram alguns dos monarcas que passaram por estas terras deixando, de uma forma ou de outra, marcas que a vila ainda hoje mantém. A origem da vila de Óbidos remonta ao século I, à cidade de Eburobrittium. Romanos, visigodos e árabes foram povos que marcaram presença por estas paragens. O ano de 1148 marca a tomada aos mouros de Óbidos, sendo em 1210 doada por D. Afonso II à Rainha D. Urraca. O primeiro condado de Óbidos é instituído em 1636 e, sete anos mais tarde, D. João IV manda reparar novamente as muralhas.

LOCAIS DE INTERESSE 
Porta da Vila datada do Século XVII a Porta da Vila tem como elementos distintivos Azulejos do séc. XVIII e capela-oratório com varanda do século XVII. "A Virgem Nossa Senhora foi concebida sem pecado original" é a inscrição que se encontra sobre a porta principal da vila de Óbidos. Mandada colocar pelo Rei D. João IV, como agradecimento pela proteção da Padroeira, aquando da Restauração de 1640.
Rua Direita É assim conhecida desde o século XIV e constitui a rua principal da vila de Óbidos, que liga a porta da vila ao Paço. Nos séc. XVI e XVII, as importantes transformações que sofreu esconderam os antigos portais góticos.
Pensa-se que o Castelo de Óbidos é de origem romana mas foi depois uma fortificação sob o domínio árabe. Classificado como Monumento Nacional o castelo apresenta um estilo arquitectónico militar. Foi convertido numa Pousada.
Capela de Nossa Senhora do Carmo
Igreja de Santa Maria provavelmente fundada no período visigótico, esta Igreja foi transformada em mesquita, durante a ocupação árabe.
Igreja da Misericórdia antiga Capela do Espírito Santo, aqui foi fundada a Santa Casa da Misericórdia pela Rainha D. Leonor.
Capela de S. Martinho um Imóvel de Interesse Público com a arquitetura de estilo religioso.
Santuário do Senhor da Pedra
Museu Municipal

Provar um dos deliciosos Licores de Ginja de Óbidos da Frutóbidos, carinhosamente chamados de “Ginjinha” por muitos dos seus apreciadores, constitui um prazer e o perpetuar de uma tradição cujas raízes se perdem na História.

Ao longo dos tempos, o Licor de Ginja de Óbidos tem sido motivo de convívio, alegria e inspiração para muitos apreciadores, que encontraram na Ginginha, e no seu paladar e aroma inconfundíveis, uma companhia perfeita para momentos de diversão rodeados de amigos ou momentos de relaxe no aconchego do lar.

Em Óbidos, por exemplo, é quase obrigatório beber uma ginjinha com os amigos quando se frequenta um dos muitos bares da histórica vila, fornecidos pela Frutóbidos.






A famosa Ginginha


Lisboa

Restaurante Bota Alta
Restaurante com excelentes iguarias da cozinha portuguesa. Com ambiente alegre e vivo, está-se bem aqui e, como se costuma dizer, o espaço não chega para as encomendas. Muito procurado também por turistas, convém reservar para não perder o lugar. 
Localização,Travessa da Queimada 35/37 - Lisboa

1200-364 LISBOA







Edição de Texto
Leila Bumachar
Fotos e fontes
L. Bumachar Consultoria